Irmãs gêmeas estão grávidas juntas
Matéria via DS / Postado dia 11-07-2018

Elas dividiram a mesma barriga, o mesmo útero e a mesma placenta. Também dividem a mesma profissão e o amor pela farda. Agora, as irmãs gêmeas e policiais militares Mariane dos Santos Zarbato e Mariele dos Santos Zarbato, de 30 anos (completados na última semana), compartilham a maior experiência da vida delas: as duas estão grávidas, com uma diferença de pouco mais de cinco semanas cada uma.

Gêmeas idênticas, as duas têm uma ligação que vai além dos traços físicos, segundo Mariane. “É algo inexplicável o que temos. Realmente é muito intenso, é uma ligação muito forte e muito boa”, diz. “E, agora, nossa gravidez praticamente juntas parece ser mais um exemplo da nossa ligação”, conta Mariane, que está grávida de 24 semanas de Lorenzo – Mariele está grávida de 30 semanas, de Cecília. 

Para a família, a surpresa em dose dupla novamente veio como mais um presente. “Somos as únicas filhas, e agora nossos filhos serão os primeiros netos. E chegarão praticamente juntos. É como se meus pais fossem ter novamente filhos gêmeos, neste caso, netos”, comenta. 

Mariane diz que a Mariele já estava planejando a gestação e 20 dias depois de descobrir que estava grávida, foi a vez dela mesmo ser surpreendida. “A minha gravidez não estava sendo planejada, foi uma surpresa, mas uma linda surpresa. E agora estamos duplamente felizes e unidas, como sempre”, ressalta.

Mariane diz que elas nunca imaginaram que seriam mães praticamente ao mesmo tempo e estão adorando esta situação. “Não sei se foi coincidência ou é mais um sinal da nossa ligação intensa, diferente, inexplicável. Nós duas já dividimos tanto os mesmos sonhos e agora dividir o maior deles é realmente emocionante”, reforça.


Ligação forte e mesmos sonhos

Elas cursaram a mesma faculdade, são formadas em Ciências Contábeis, e resolveram dividir o mesmo sonho: ser PM. Mariele ingressou primeiro, em 2013. Em 2015, abriu um novo concurso e Mariane se dedicou muito e conseguiu ficar bem classificada. Em Santa Catarina, as vagas femininas para a instituição são de 6% para mulheres somente. Para elas, a ligação de irmãos gêmeos é diferente. “Temos um amor muito grande uma pela outra e sempre fomos muito amigas, parceiras”, afirma Mariane. As duas não moram na mesma cidade, Mariane mora em Gravatal e Mariele, em Tubarão. 

Também trabalham em municípios diferentes, Orleans e São Ludgero, respectivamente. “Mas mesmo assim, não passamos um dia sem nos falar. É inexplicável o que sentimos”, conclui Mariane.



Veja Também
Na estreia, Peixe vai reencontrar Waguinho Dias
Evento une idosos de Pescaria Brava
Idosa deixa imóvel e precisa de apoio
Bebê agredida segue em estado grave

A bebê de dois meses que teria sido agredida pelo paicontinua na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão. 

A menina de Capivari de Baixo passou por cirurgia e, até o fechamento desta edição, seu estado de saúde era considerado grave. O caso aconteceu na terça-feira e foi trazido com exclusividade pelo DS. 

A criança chegou à unidade junto com os pais. Após atendimento, os médicos atestaram que ela tinha afundamento de crânio e hematomas. A polícia e o conselho tutelar foram acionados, pois a desconfiança era que ela tivesse sido agredida. 

Com isso, os pais foram detidos. Após conversa com o delegado responsável pelo caso, Vandilson Moreira da Silva, o homem de 25 anos, pai da criança, foi acusado pela mãe de ser o responsável pelas agressões. Ele alegava que a criança não era filha biológica dele, pois o casal é negro e a criança, branca. 

O pai, suspeito de agredir a bebê, foi preso e segue recluso no Presídio Regional de Tubarão. Já a mãe, foi ouvida e liberada. Ela será investigada por omissão. À polícia, ela afirmou que era ameaçada e agredida pelo marido e que, por isso, não havia o denunciado antes. Esta seria a terceira vez que a bebê foi hospitalizada. Na primeira vez, estava com costelas quebradas. Nos casos anteriores, a família alegava acidentes domésticos.

A Polícia Civil ainda aguarda um laudo pericial para confirmar as agressões. O pai deve responder por maus-tratos e tentativa de homicídio. A polícia teve deferimento da Justiça para o pedido de prisão preventiva.