Torneio promove integração entre jovens especiais
Matéria via DS / Postado dia 16-05-2018

Promover a integração entre os jovens especiais e ainda proporcionar a atividade esportiva foram alguns dos objetivos do Campeonato de Bocha das Apaes do Litoral Sul. O evento ocorreu em Capivari de Baixo.  

A professora da Apae de Tubarão Manuela Emerick Zapelini diz que esses torneios são de suma importância para os alunos. “É através deles que muitos estudantes convivem com outras pessoas e ambientes diferentes de sua rotina. Além de promover a integração, eles participam de uma modalidade esportiva fundamental para a saúde”, explica a docente. 

Para o presidente da Apae de Capivari, Hamilton Gomes Sousa, o esporte promove um importante relacionamento social entre os jovens especiais. “Confere maior autonomia a todos, cumprindo dessa maneira o objetivo maior das Apaes e, consequentemente, gerando melhor qualidade de vida”, ressalta.

A diretora da Apae de Capivari de Baixo, Rosilene Costa Antônio, afirma que o evento foi um sucesso, garantindo a felicidade tanto dos alunos quanto da própria equipe pedagógica. “O campeonato foi incrível, os estudantes ficaram muito felizes e satisfeitos. Só tenho a agradecer a todos os envolvidos, tanto a equipe pedagógica quanto a diretoria e, claro, principalmente a todos os estudantes que participaram e fizeram do evento um sucesso”, acrescenta. 

O Campeonato de Bocha das Apaes contou com a participação de 68 alunos das instituições de Sangão, Jaguaruna, Tubarão, Treze de Maio, Laguna, Imbituba, Garopaba e Capivari. 

A vencedora da categoria bocha paralímpica e classificada para a Olimpíada Estadual das Apaes foi Priscila de Souza Gonçalves. Ela é aluna da Apae de Tubarão. O Campeonato de Bocha das Apaes do Litoral Sul ocorreu ontem à tarde, na Apae de Capivari de Baixo.



Veja Também
Na estreia, Peixe vai reencontrar Waguinho Dias
Evento une idosos de Pescaria Brava
Idosa deixa imóvel e precisa de apoio
Bebê agredida segue em estado grave

A bebê de dois meses que teria sido agredida pelo paicontinua na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão. 

A menina de Capivari de Baixo passou por cirurgia e, até o fechamento desta edição, seu estado de saúde era considerado grave. O caso aconteceu na terça-feira e foi trazido com exclusividade pelo DS. 

A criança chegou à unidade junto com os pais. Após atendimento, os médicos atestaram que ela tinha afundamento de crânio e hematomas. A polícia e o conselho tutelar foram acionados, pois a desconfiança era que ela tivesse sido agredida. 

Com isso, os pais foram detidos. Após conversa com o delegado responsável pelo caso, Vandilson Moreira da Silva, o homem de 25 anos, pai da criança, foi acusado pela mãe de ser o responsável pelas agressões. Ele alegava que a criança não era filha biológica dele, pois o casal é negro e a criança, branca. 

O pai, suspeito de agredir a bebê, foi preso e segue recluso no Presídio Regional de Tubarão. Já a mãe, foi ouvida e liberada. Ela será investigada por omissão. À polícia, ela afirmou que era ameaçada e agredida pelo marido e que, por isso, não havia o denunciado antes. Esta seria a terceira vez que a bebê foi hospitalizada. Na primeira vez, estava com costelas quebradas. Nos casos anteriores, a família alegava acidentes domésticos.

A Polícia Civil ainda aguarda um laudo pericial para confirmar as agressões. O pai deve responder por maus-tratos e tentativa de homicídio. A polícia teve deferimento da Justiça para o pedido de prisão preventiva.