Leite humano doado pode salvar vidas
Matéria via DS / Postado dia 16-05-2018

No próximo sábado é o Dia Nacional de Doação de Leite Humano. Além dessa data, Santa Catarina tem também a Semana Estadual de Doação de Leite Humano. A finalidade das duas datas busca sensibilizar a população para a crescente demanda por leite humano como forma de garantir a sobrevivência de bebês prematuros internados em UTI neonatais, cujas mães não conseguem suprir as necessidades dos filhos.

Em Tubarão, o Banco de Leite Humano existe desde o ano 2000, no Hospital Nossa Senhora da Conceição, e foi responsável pelo título de Hospital Amigo da Criança, conquistado pelo HNSC. 

De acordo com Katiane Baschirotto Dorigon Coral, coordenadora do Centro Materno Infantil do HNSC, o estoque hoje no banco atende à demanda, porém mais doações são sempre bem-vindas. “Não está faltando, mas também não está sobrando. Hoje, atendemos em média dez bebês por dia com o leite humano doado. Isso salva a vida deles”, destaca. “Temos aproximadamente 50 doadoras cadastradas”, pontua.

Para Carla Antônio Vieira, mãe de um bebê que está recebendo leite humano, o trabalho do banco de leite e a doação 
realizada por outras mães é muito importante. “Está fazendo o papel que eu não estou podendo, porque eu não tenho leite e esta doação está permitindo que meu bebê receba as proteínas para poder crescer. Eu sou muito grata. Porque se não fosse o leite que ele recebeu, ele não estaria ganhando peso. Meu filho nasceu de 35 semanas e com apenas 1,9 kg. Que as doadoras continuem doando, porque ajudam muitas crianças”, conclui a mãe.


Como ser doadora

Para ser uma doadora, a mãe precisa ter leite suficiente para seu bebê e para ser doado. Então, é feito um cadastro, no qual são avaliadas as condições de saúde da doadora e é entregue o material - que inclui toca, máscara e frasco de vidro esterelizado - , para ser feita a coleta em casa. Depois de coletado o leite, é preciso congelá-lo, e então a mãe pode levá-lo ao hospital ou um funcionário do setor busca diretamente na casa da doadora.



Veja Também
Na estreia, Peixe vai reencontrar Waguinho Dias
Evento une idosos de Pescaria Brava
Idosa deixa imóvel e precisa de apoio
Bebê agredida segue em estado grave

A bebê de dois meses que teria sido agredida pelo paicontinua na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão. 

A menina de Capivari de Baixo passou por cirurgia e, até o fechamento desta edição, seu estado de saúde era considerado grave. O caso aconteceu na terça-feira e foi trazido com exclusividade pelo DS. 

A criança chegou à unidade junto com os pais. Após atendimento, os médicos atestaram que ela tinha afundamento de crânio e hematomas. A polícia e o conselho tutelar foram acionados, pois a desconfiança era que ela tivesse sido agredida. 

Com isso, os pais foram detidos. Após conversa com o delegado responsável pelo caso, Vandilson Moreira da Silva, o homem de 25 anos, pai da criança, foi acusado pela mãe de ser o responsável pelas agressões. Ele alegava que a criança não era filha biológica dele, pois o casal é negro e a criança, branca. 

O pai, suspeito de agredir a bebê, foi preso e segue recluso no Presídio Regional de Tubarão. Já a mãe, foi ouvida e liberada. Ela será investigada por omissão. À polícia, ela afirmou que era ameaçada e agredida pelo marido e que, por isso, não havia o denunciado antes. Esta seria a terceira vez que a bebê foi hospitalizada. Na primeira vez, estava com costelas quebradas. Nos casos anteriores, a família alegava acidentes domésticos.

A Polícia Civil ainda aguarda um laudo pericial para confirmar as agressões. O pai deve responder por maus-tratos e tentativa de homicídio. A polícia teve deferimento da Justiça para o pedido de prisão preventiva.