Criciúma arranca empate contra o Inter de Lages, mas continua na Z-2
Matéria via DC / Postado dia 12-02-2018

O martírio do Criciúma no início da temporada ganhou mais um capítulo neste sábado. O Tigre não tem motivos para aproveitar o Carnaval, pois chegou ao quinto jogo consecutivo sem vitória no Campeonato Catarinense 2018 - seis, considerando o empate diante do São Caetano pela Copa do Brasil. Ainda sob o comando interino de Grizzo, o time voltou a fazer mais uma apresentação instável, mas após estar duas vezes atrás do placar conseguiu ficar no 2 a 2 diante do Inter de Lages, no Estádio Tio Vida, na Serra, pela sétima rodada.

Com cinco pontos, o Criciúma pelo menos deixou a lanterna do Estadual. Agora, o time é o nono colocado, mas pode voltar à última posição se o Tubarão pontuar diante do Avaí, segunda-feira, em jogo que encerra a rodada, em Florianópolis. O time volta a campo na quarta-feira, às 20h30min, contra o Joinville, no Heriberto Hülse. O Inter, que soma sete pontos, visita o Tubarão, quinta-feira, às 20h30min, no Domingos Gonzales.

Disposto a deixar a lanterna, o Criciúma foi ao ataque nos primeiros minutos, mas não teve organização e boa pontaria para conseguir ficar em vantagem. Andrew até apareceu sozinho dentro da área, mas a cabeçada dele foi pela linha de fundo. A resposta do Inter de Lages foi na mesma moeda. O veterano Max acertou uma boa testada, e Luiz fez a defesa para o Tigre.

E quando o Leão Baio chegou de frente para o camisa 1 do Criciúma pela segunda vez, a bola foi para o fundo das redes. Aos 22, uma falha de marcação do Tigre deixou Luizinho sozinho, e o atacante abriu o placar. O Tigre por pouco não foi para o intervalo com uma desvantagem maior. Aos 34, Luizinho girou dentro da área e serviu Max, que de voleio mandou para fora.

A aposta de Grizzo para o segundo tempo foi uma mudança no meio de campo. O treinador colocou Luiz Fernando na vaga de Alex Maranhão e, logo no primeiro minuto, o Tigre fez o gol de empate. Após um passe do meia em profundidade, João Paulo cruzou para o meio da área, a defesa do Inter de Lages não cortou e Andrew, de carrinho, empurrou para o gol.

O Tigre se empolgou com o empate, se atirou na busca da virada, mas voltou a falhar e viu o Inter de Lages ficar na frente de novo. Aos oito, Max aproveitou cruzamento, ganhou pelo alto do lateral Eduardo e de cabeça fez 2 a 1. O Criciúma parou no goleiro Fabian Volpi, que fez a defesa em chute de Mailson e viu a trave evitar o terceiro após chute de Jean Lucas.  

A torcida do Inter comemorava o resultado positivo quando o Criciúma buscou forças para empatar mais uma vez. Aos 42, Jean Mangabeira mandou a bola para dentro da área, e Caio apareceu no meio da zaga para desviar de leve e garantir um ponto para o Tigre fora de casa.

FICHA TÉCNICA

INTER DE LAGES - 2
Fabian Volpi; Kellyton, Fernando Belém, Pierre e Sanchez; Bruno Sena (Gregory), Jeferson e Felipe (Jean Lucas); Rafhael Lucas, Luizinho (Matheus Arence) e Max.
Técnico: Leandro Niehues.

CRICIÚMA - 2
Luiz; Eduardo (Caio), Sandro, Ianson e Andrew (Kalil); Barreto, Jean Mangabeira, Wallacer e Alex Maranhão (Luiz Fernando); João Paulo e Mailson.
Técnico: Grizzo (interino)

GOLS: Luizinho (I), aos 22 minutos do primeiro tempo. Andrew (C), a 1, Max (I), aos 8, e Caio (C), aos 42 minutos do segundo tempo.
CARTÕES AMARELOS:
 Bruno Sena (I). Andrew e João Paulo (C).
BORDERÔ: 
644 torcedores e renda de R$ 15.280,00.
ARBITRAGEM: 
Heber Roberto Lopes, auxiliado por Alex dos Santos e Henrique Neu Ribeiro
LOCAL: Tio Vida, em Lages

Confira a tabela do Catarinense 2018
Leia mais notícias sobre o 
Catarinense 2018



Veja Também
Mar Grosso: prefeitura acelera projetos para a obra
Doações múltiplas de órgãos: Tubarão ocupa sexto lugar no Estado

O Hospital Nossa Senhora da Conceição, de Tubarão, está em sexto lugar no Estado como o hospital que mais realizou doações múltiplas de órgãos. Está atrás apenas de Joinville, Blumenau, Jaraguá do Sul, Itajaí e Florianópolis. Foram 17 doações múltiplas no ano passado realizadas no HNSC.

Santa Catarina continua liderando o ranking no número de doações de órgãos para transplantes no país. O Estado consolidou um sistema de transplantes que é referência também internacional. Segundo levantamento da SC Transplantes, em outubro de 2017, Santa Catarina atingiu a marca de 39 doadores efetivos de órgãos por milhão de população, enquanto a média nacional foi de 16,5 doadores por milhão de população.

Até setembro de 2017, a SC Transplantes registrou 197 doações efetivas de órgão, 438 doações efetivas de tecido ocular e 938 transplantes de órgãos e tecidos em Santa Catarina.

De acordo com o médico coordenador da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante do HNSC, Vilto Michels Júnior, a posição que o hospital ocupa no Estado mostra o empenho e o bom trabalho realizado na instituição. “A doação de órgãos passa por uma série de trâmites, que vai desde o momento da identificação do paciente em estado grave com chance de morte encefálica ao tratamento correto dado a ele quando se torna muito grave e com a morte encefálica comprovada, para que os órgãos sejam mantidos”, explica.

Além disso, Vilto explica que tem toda a parte de entrevista com os familiares, que é uma das fases mais importantes no que se refere à aceitação para a doação dos órgãos. “Para tudo isso,  temos uma equipe amplamente treinada pela Central de Transplantes de Florianópolis, o que acarreta no sucesso do trabalho”, pontua.

O médico, que também coordena o CTI (Centro de Tratamento Intensivo), diz que a parte que cabe ao HNSC é o de identificar e tratar o paciente e entrevistar a família. Tão logo o diagnóstico fique completo, a Central de Transplantes faz a captação dos órgãos. “Fígado, rins e córneas são os mais comuns. Coração e pulmão são mais raros”, comenta.


Treinamento especializado

Os investimentos em logística e em treinamentos das equipes dos hospitais, responsáveis pela identificação de potenciais doadores e pela abordagem junto às famílias, são os fatores determinantes para os resultados alcançados. Este ano, foram capacitados cerca de 800 profissionais de hospitais públicos e particulares.

Técnico do Leão do Sul acredita em melhora
Peixe faz jogo decisivo hoje no Paraná