Cidade alagada mantém torres de igreja no meio das águas
Matéria via DC / Atualizado dia 12-02-2018

o Oeste de Santa Catarina, uma cidade esconde muitos mistérios embaixo d’água. Em meados de 2000, Itá, que tinha dois mil habitantes, foi alagada por mais de 49 mil metros cúbicos de água, a fim de que se formasse um lago que iria alimentar a usina hidrelétrica da região.

"Quando nós recebemos a notícia da inundação, ela não foi bem recebida no começo, porque Itá era uma cidade pequena, com aproximadamente 200 casas, mas era uma cidade aconchegante”, disse o aposentado Jaime Donato.

“Ela foi executada neste local devido à geografia da região e a curva era o local favorável. Caso fosse feita abaixo de um afluente que existe, ia inundar parte do município de Seara, e alagaria muita área”, disse Alceu Roberto Trevisol, condutor de embarcação.

Os escombros da Itá velha foram retirados antes da água tomar conta de 103 quilômetros quadrados de terra. E os moradores se mudaram pra Itá nova, a cinco quilômetros dali. Quase tudo ficou debaixo d’água, com exceção de duas torres da antiga igreja matriz de São Pedro.

Os 15 metros das torres estão no meio das águas, enquanto os 10 metros da igreja estão submersos. Mas, por que isso aconteceu? “Nós temos o foco histórico baseados nos fatos, e temos a história baseada nos contos”, disse Altir Goedert, secretário de Turismo e Desenvolvimento Econômico do município.

O aposentado José Cardoso da Silva conhece bem essa história. Ele estava lá e viu quando tentaram derrubar a igreja. “Foi demolida a parte de trás da igreja, com um trator. E colocaram um cabo de aço na torre em cima e o cabo de aço estourou. Dali a uns quatro ou cinco dias, tentaram novamente demolir as torres da igreja e o trator estragou”, disse.

Há quem explique essa história de um jeito diferente.

“Eu não tenho dúvida daquilo que eu vou falar. Aqui nós recebemos uma mensagem divina para que essas torres ficassem de pé. Porque a partir do momento que sucedeu, que os cabos de aço quebraram e que a máquina estragou, formou uma corrente religiosa, psicológica, positiva, a ponto de que todos se uniram para que essas torres ficassem de pé ”, disse Donato.

Nessa versão, um padre teria rogado uma praga na cidade. E a hidrelétrica foi o jeito de fazer essa praga pegar. “Não é um mito, é realidade. Havia um padre aqui e ele não era muito bem aceito pela comunidade. E um belo dia ele foi embora. Nesse local aqui mesmo, ele olhou pra trás, viu a cidade e disse: um dia essa cidade haverá de ser inundada. E isso aconteceu", contou Donato.

Maldição ou não, as torres resistiram e viraram a atração turística imersa nas águas que também escondem uma cidade de histórias. “É histórico, dá vontade de conhecer. Desperta a curiosidade do que tinha embaixo dessas duas torres”, disse o turista Sandro Augusto Bonfanti.

“A gente sente muita saudade ainda desse lugar que nós deixamos aqui. E quando nós visualizamos o lago, a gente parece que ainda está localizando a nossa casa, e a gente traz presente um passado que nos dá muitas saudades”, disse Donat



Veja Também
Arma é apreendida dentro de veículo após abordagem em festa
Karateca tubaronense disputa Sul-Americano

Ontem, Nícolas de Souza viajou mais uma vez para defender as cores do país em uma competição internacional. O jovem karateca disputa pelo terceiro ano consecutivo o Sul-Americano da modalidade com a Seleção Brasileira, e acumula ótimos desempenhos, além de experiências muito importantes.

Aos 12 anos, Nícolas garantiu a vaga com a idade mínima para fazer parte da seleção e ainda comemorou o título de campeão. Aos 13, mais uma vez representando o Brasil na competição, foi o vice-campeão de sua categoria. Agora, com 14, segue mais uma vez em busca do pódio.

“É com muito orgulho que tenho a honra de poder representar meu país em mais um evento internacional. Estou muito feliz, pois é o meu terceiro ano consecutivo na Seleção Brasileira. Treinei muito e estou preparado para fazer o meu melhor”, revela.

“Aproveito para agradecer o apoio e a torcida de todos que estão sempre comigo. Sem a participação de todos os envolvidos, isso não seria possível”, ressalta Nícolas.

O Sul-Americano ocorre de hoje até domingo, em Guayaquil, no Equador, e reúne atletas nas disputas das categorias Sub-14, Cadete, Júnior, Sub-21 e Sênior. “As expectativas para este campeonato são boas, porém disputo uma categoria diferente e pode ter sempre surpresas. No entanto, darei meu máximo para representar bem meu país em mais um campeonato deste nível”, finaliza Nícolas.

Mulher precisa de ajuda para tratamento de câncer

A dona de casa Mércia Carvalho, de Gravatal, está precisando de ajuda. Com câncer no fígado e sem condições financeiras para arcar com o tratamento, ela precisa da colaboração de todos para continuar vivendo. O marido, Genésio, precisou parar de trabalhar para ajudar a esposa em seu tratamento.

Uma rede de solidariedade se formou nas redes sociais para tentar minimizar a dor de Mércia e sua família. O marido está afastado do trabalho há 14 meses, em busca da cura para sua esposa, e para ajudá-la em tudo o que precisa, já que a doença está em um estágio avançado. 

Mércia precisa tomar vitaminas e medicamentos importados contra o câncer, e não possui condições financeiras. Amigos da família contam que ela já ficou dois meses sem tomar os medicamentos, por não ter como arcar com estes custos. 

Quem desejar ajudar, pode fazer um depósito de qualquer valor. Os dados para depósito são: Banco do Brasil, agência 2089-3, conta 14048-1, em nome de Genésio Carvalho. Para entrar em contato, o telefone de Genésio é (48) 99697-8562.

Cursos gratuitos levam cultura a Tubarão