Famílias são retiradas de casa em Palhoça após deslizamento de terra
Matéria via Hora Santa / Postado dia 12-02-2018

Duas famílias foram retiradas de suas casas na Praia da Pinheira, em Palhoça, depois de um deslizamento de terra em um morro ao fundo das residências no final da manhã deste domingo. Ao todo, sete pessoas deixaram os imóveis e foram abrigados na casa de familiares. A Defesa Civil do município monitora a situação na região e por enquanto não há previsão de quando os moradores poderão retornar às suas casas.

De acordo com o secretário de Segurança Pública de Palhoça, Cláudio Monteiro, que comanda também a Defesa Civil, as duas casas não chegaram a ser atingidas pela lama e barro. Mas, por precaução, as famílias foram orientadas a deixarem os imóveis “até em função da previsão de mais chuvas na cidade”. Segundo ele, a situação é monitorada e ainda não há previsão de retorno das pessoas.



Veja Também
Mar Grosso: prefeitura acelera projetos para a obra
Doações múltiplas de órgãos: Tubarão ocupa sexto lugar no Estado

O Hospital Nossa Senhora da Conceição, de Tubarão, está em sexto lugar no Estado como o hospital que mais realizou doações múltiplas de órgãos. Está atrás apenas de Joinville, Blumenau, Jaraguá do Sul, Itajaí e Florianópolis. Foram 17 doações múltiplas no ano passado realizadas no HNSC.

Santa Catarina continua liderando o ranking no número de doações de órgãos para transplantes no país. O Estado consolidou um sistema de transplantes que é referência também internacional. Segundo levantamento da SC Transplantes, em outubro de 2017, Santa Catarina atingiu a marca de 39 doadores efetivos de órgãos por milhão de população, enquanto a média nacional foi de 16,5 doadores por milhão de população.

Até setembro de 2017, a SC Transplantes registrou 197 doações efetivas de órgão, 438 doações efetivas de tecido ocular e 938 transplantes de órgãos e tecidos em Santa Catarina.

De acordo com o médico coordenador da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante do HNSC, Vilto Michels Júnior, a posição que o hospital ocupa no Estado mostra o empenho e o bom trabalho realizado na instituição. “A doação de órgãos passa por uma série de trâmites, que vai desde o momento da identificação do paciente em estado grave com chance de morte encefálica ao tratamento correto dado a ele quando se torna muito grave e com a morte encefálica comprovada, para que os órgãos sejam mantidos”, explica.

Além disso, Vilto explica que tem toda a parte de entrevista com os familiares, que é uma das fases mais importantes no que se refere à aceitação para a doação dos órgãos. “Para tudo isso,  temos uma equipe amplamente treinada pela Central de Transplantes de Florianópolis, o que acarreta no sucesso do trabalho”, pontua.

O médico, que também coordena o CTI (Centro de Tratamento Intensivo), diz que a parte que cabe ao HNSC é o de identificar e tratar o paciente e entrevistar a família. Tão logo o diagnóstico fique completo, a Central de Transplantes faz a captação dos órgãos. “Fígado, rins e córneas são os mais comuns. Coração e pulmão são mais raros”, comenta.


Treinamento especializado

Os investimentos em logística e em treinamentos das equipes dos hospitais, responsáveis pela identificação de potenciais doadores e pela abordagem junto às famílias, são os fatores determinantes para os resultados alcançados. Este ano, foram capacitados cerca de 800 profissionais de hospitais públicos e particulares.

Técnico do Leão do Sul acredita em melhora
Peixe faz jogo decisivo hoje no Paraná