Contra o Náutico, Criciúma tenta bater meta pessoal de Beto Campos
Matéria via DC / Postado dia 14-11-2017

O técnico Beto Campos, que não fica no Criciúma no ano que vem, tem uma meta pessoal diante do Náutico, no Heriberto Hülse, na partida que abre a rodada, às 19h15min desta terça-feira. Ele espera um Tigre determinado a vencer e melhorar os números na Série B, com mudanças na escalação. No momento, o técnico tem 33,3% de aproveitamento, o pior entre comandantes que passaram na área técnica carvoeira na temporada.

Com Luiz Carlos Winck, que comandou o time entre o começo e parte do segundo turno da Série B, o Criciúma somou 53,7% dos pontos disputados. Beto Campos também está atrás de Deivid. O treinador que iniciou a temporada e foi demitido após derrotas nas três primeiras rodadas da Segundona deixou o Sul de Santa Catarina com 39,3%.

Beto Campos não fica para o ano que vem, diz presidente do Criciúma

— Somos avaliados por resultados, é uma cultura, e a gente sabe disso. Tenho um grupo que começou abaixo, conseguiu se recuperar durante o campeonato e mostrou muita força. É dessa maneira que a gente tem de terminar — comentou o treinador.

Questionado sobre a permanência no clube em 2018, Beto informou que um representante trata com o Criciúma. Porém, o presidente Jaime Dal Farra declarou no início da semana que o compromisso com o técnico termina ao final da temporada e que pensa em outros nomes para a vaga. 

Para encarar o Náutico, rebaixado no último sábado depois da derrota para o Londrina, Beto Campos tem a volta dos titulares Luiz, no gol, Edson Borges, na zaga, e Barreto no meio. Dos quatro que não viajaram para Natal, somente o atacante Silvinho continua fora, com dores na coxa direita. 

No último treino, Beto fez mistério sobre a escalação e deixou Barreto ou Ricardinho e Lucão ou Kalil, como dúvidas em duas posições entre os onze que iniciam o duelo.

Uma semana de jogos decisivos para os times catarinenses no Brasileiro

Ficha técnica

Criciúma: Luiz; Diogo Mateus, Raphael Silva, Edson Borges e Diego Giaretta; Barreto(Ricardinho), Douglas Moreira, João Henrique e Alex Maranhão; Caio Rangel e Lucão (Kalil). Técnico: Beto Campos.
Náutico: Busatto; David, Rafael Ribeiro, Aislan e Henrique Ávila; Amaral, Cal Rodrigues, Renan Paulino e Leilson; Dico e Bruno Mota. Técnico: Roberto Fernandes.
Arbitragem: Alinor Silva da Paixao, auxiliado por Fabio Rodrigo Rubinho e Marcelo Grando (trio do MT).
Data e hora: nesta terça-feira, às 19h15min
Local: Heriberto Hulse, em Criciúma (SC)



Veja Também
Na estreia, Peixe vai reencontrar Waguinho Dias
Evento une idosos de Pescaria Brava
Idosa deixa imóvel e precisa de apoio
Bebê agredida segue em estado grave

A bebê de dois meses que teria sido agredida pelo paicontinua na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão. 

A menina de Capivari de Baixo passou por cirurgia e, até o fechamento desta edição, seu estado de saúde era considerado grave. O caso aconteceu na terça-feira e foi trazido com exclusividade pelo DS. 

A criança chegou à unidade junto com os pais. Após atendimento, os médicos atestaram que ela tinha afundamento de crânio e hematomas. A polícia e o conselho tutelar foram acionados, pois a desconfiança era que ela tivesse sido agredida. 

Com isso, os pais foram detidos. Após conversa com o delegado responsável pelo caso, Vandilson Moreira da Silva, o homem de 25 anos, pai da criança, foi acusado pela mãe de ser o responsável pelas agressões. Ele alegava que a criança não era filha biológica dele, pois o casal é negro e a criança, branca. 

O pai, suspeito de agredir a bebê, foi preso e segue recluso no Presídio Regional de Tubarão. Já a mãe, foi ouvida e liberada. Ela será investigada por omissão. À polícia, ela afirmou que era ameaçada e agredida pelo marido e que, por isso, não havia o denunciado antes. Esta seria a terceira vez que a bebê foi hospitalizada. Na primeira vez, estava com costelas quebradas. Nos casos anteriores, a família alegava acidentes domésticos.

A Polícia Civil ainda aguarda um laudo pericial para confirmar as agressões. O pai deve responder por maus-tratos e tentativa de homicídio. A polícia teve deferimento da Justiça para o pedido de prisão preventiva.