Atletas são homenageados após os Jasc
Matéria via Diário do Sul / Postado dia 14-11-2017

A delegação tubaronense trouxe na bagagem da 57ª Edição dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) 53 medalhas: 11 de ouro, 22 de prata e 20 de bronze, o que garantiu o 7° lugar geral no quadro final. Tubarão conquistou, ao todo, 56 pontos, o que representou a 9ª colocação geral.

Na segunda-feira, grande parte dos 147 integrantes da delegação que representou a cidade nas competições participou de um evento organizado pela prefeitura, na  Unisul, oportunidade em que foram homenageados pelo ótimo desempenho obtido. Essa foi a melhor campanha do município na história dos Jogos Abertos de Santa Catarina, cuja edição terminou no último sábado. No ano anterior, o município conquistou 18 medalhas.

O técnico de atletismo Marcos Paulo Huber falou em nome da delegação e ressaltou que a ascensão do município é resultado direto da continuidade dos programas Bolsa Atleta e Técnico. “Estamos muito felizes porque esse virou um programa da cidade, que tem se mantido, independentemente do prefeito. Antes de termos esses programas, era comum vermos atletas de Tubarão defendendo outras cidades, porque não tinham incentivo para defender nosso município”, atesta Marcos Paulo.

O vice-prefeito, Caio Tokarski, lembrou que o programa foi criado na gestão do prefeito Manoel Bertoncini, em 2012, ocasião em que ele respondia pela Fundação Municipal de Esporte. “Detectamos a necessidade de oferecer um incentivo aos nossos atletas e o programa foi criado. Para nossa satisfação, as gestões posteriores não só mantiveram, como ampliaram o volume de recursos”, assegura. Neste ano serão repassados um total de R$ 1,5 milhão para os 139 atletas e os 31 técnicos assistidos pelo programa.


Responsabilidade e futuro

O resultado obtido pelos atletas foi amplamente comemorado pelo prefeito Joares Ponticelli. “O número de medalhas praticamente triplicou, e isso aumenta demasiadamente nossa responsabilidade, pois no ano que vem temos que melhorar esses índices. Nós vamos continuar fazendo nossa parte no que se refere à manutenção do programa e ao pagamento em dia dos benefícios. A contrapartida de vocês é continuar se dedicando e treinando para manter os índices e conquistar novas vitórias”, frisou o prefeito.

Além dos programas de incentivo financeiro, Ponticelli destacou, ainda, que a reativação das escolinhas esportivas são, em parte, responsáveis pela formação de uma delegação tão competitiva. “Mais de 800 crianças participam das escolinhas, terras férteis para a descoberta de novos talentos. Lá estão os futuros atletas que vão manter e elevar nossos índices. As escolinhas são ainda um grande projeto de inclusão social, que ajudam a criança a preencher o tempo livre com atividades saudáveis”, observa.



Veja Também
Na estreia, Peixe vai reencontrar Waguinho Dias
Evento une idosos de Pescaria Brava
Idosa deixa imóvel e precisa de apoio
Bebê agredida segue em estado grave

A bebê de dois meses que teria sido agredida pelo paicontinua na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão. 

A menina de Capivari de Baixo passou por cirurgia e, até o fechamento desta edição, seu estado de saúde era considerado grave. O caso aconteceu na terça-feira e foi trazido com exclusividade pelo DS. 

A criança chegou à unidade junto com os pais. Após atendimento, os médicos atestaram que ela tinha afundamento de crânio e hematomas. A polícia e o conselho tutelar foram acionados, pois a desconfiança era que ela tivesse sido agredida. 

Com isso, os pais foram detidos. Após conversa com o delegado responsável pelo caso, Vandilson Moreira da Silva, o homem de 25 anos, pai da criança, foi acusado pela mãe de ser o responsável pelas agressões. Ele alegava que a criança não era filha biológica dele, pois o casal é negro e a criança, branca. 

O pai, suspeito de agredir a bebê, foi preso e segue recluso no Presídio Regional de Tubarão. Já a mãe, foi ouvida e liberada. Ela será investigada por omissão. À polícia, ela afirmou que era ameaçada e agredida pelo marido e que, por isso, não havia o denunciado antes. Esta seria a terceira vez que a bebê foi hospitalizada. Na primeira vez, estava com costelas quebradas. Nos casos anteriores, a família alegava acidentes domésticos.

A Polícia Civil ainda aguarda um laudo pericial para confirmar as agressões. O pai deve responder por maus-tratos e tentativa de homicídio. A polícia teve deferimento da Justiça para o pedido de prisão preventiva.