Moradores pedem dragagem em Jaguaruna
Matéria via Diário do Sul / Atualizado dia 19-06-2017

Moradores, visitantes, pescadores e representantes do poder público protestaram, nesse fim de semana, pedindo urgência na obra de dragagem da Barra do Camacho, que hoje não está sendo executada.

De acordo com o secretário municipal de Esportes e Turismo, José Moacir de Almeida, o Kiko, a comunidade está preocupada com a situação no local.

“O canal está fechando e é possível perceber que está muito raso. Se acontecer uma enchente, pode prejudicar muito a cidade e os moradores”, alerta.

Para pedir medidas em relação ao problema, o grupo protestou no sábado, com faixas e cartazes pedindo atenção. “Isso é algo que afeta a cidade toda, os pescadores, até mesmo o turismo, pois muitos visitantes vão conhecer o local. Além do risco de cheia, que já apontamos”, destaca.

Kiko aponta que não tem informações de como está o andamento para a solicitação de dragagem no local. “Há uma obra de desassoreamento prevista, mas não sabemos para quando e hoje está parada”, aponta.

A Barra do Camacho fica em Jaguaruna e recebe as águas da bacia do rio Congonhas. Estudos apontam que a barra sofre constantes ações do tempo, do clima e de fenômenos naturais, além das marés e do volume de águas do rio Tubarão.

Para que o local possa realmente cumprir com sua função, é preciso que o desassoreamento seja efetuado. A barra é o único caminho de saída do rio Congonhas, com papel fundamental para o escoamento das águas do rio Tubarão.

Em 2012, 64.625 metros cúbicos de areia foram retirados da Lagoa do Camacho, em Jaguaruna. O processo de dragagem é necessário para manter a entrada de água do mar e possibilitar a passagem de peixes e crustáceos. A draga estava no local desde 2011, e foi retirada para passar por manutenção.



Veja Também
Criciúma sai na frente, mas cede empate ao Oeste no Heriberto Hülse
Chapecoense surpreende fora de casa e vence o Palmeiras
Unisul lança programa nesta semana com diversos eventos

Entre hoje e o próximo sábado, a Unisul lança o Programa Unisul de Educação em Direitos Humanos e Educação das Relações Étnico-Raciais. Para marcar o lançamento institucional, os campi produziram uma programação com eventos diversos: exposições, palestras, mostras, entre outros. A programação é aberta ao público externo e a entrada é gratuita.
Atuando na promoção da democracia, da cidadania e dos direitos humanos, o programa, por meio de projetos, pesquisas e campanhas comunitárias, constrói e dissemina a cultura de respeito aos direitos humanos e das relações étnico-raciais, formando cidadãos para uma sociedade livre, democrática e de respeito às diferenças étnica, cultural, religiosa, de gênero, de orientação sexual e de opção política. “Este programa aproxima ainda mais a Unisul da comunidade externa, com uma educação que efetivamente contribui para a melhoria da vida em sociedade”, destaca o reitor da Unisul, professor Mauri Luiz Heerdt.
O movimento se efetiva por meio de ações desenvolvidas no âmbito do ensino, da pesquisa, da extensão e da gestão universitária. Estas ações são integradas, porém descentralizadas no âmbito das direções e gerências dos campi, promovendo a transversalidade dos temas do programa na universidade. Assim como a educação, o programa também é um processo dinâmico, em permanente construção, e está aberto a reflexões, debates e reformulações.

Jovem de 23 anos é atingido por tiros em Treze de Maio

Um jovem de 23 anos foi atingido por sete tiros durante tentativa de homicício. O crime ocorreu na madrugada de sábado, em Treze de Maio, na estrada geral da comunidade de São João de Urussanga Baixa.
De acordo com a polícia, o jovem foi encaminhado ao hospital de Treze de Maio por volta das 5h, sendo transferido, em seguida, para o Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Tubarão, em virtude dos ferimentos graves. O jovem foi atingido na cabeça, braço e tórax (costas). 
Segundo familiares, ele estava retornando para casa de motocicleta quando foi atingido pelos disparos. A motivação do crime ainda é desconhecida e investigada pela polícia, que está também buscando informações sobre os suspeitos.
Até o fechamento desta edição, a vítima seguia internada e seu estado de saúde permanecia o mesmo.