Sequestro é investigado
Matéria via Diário do Sul / Postado dia 20-04-2017

O possível sequestro de um menino de 11 anos está sendo investigado pela Delegacia de Imbituba. O caso aconteceu na manhã de ontem e um homem em um Gol preto com placas de Paulo Lopes teria sequestrado a criança no bairro Mirim, onde lhe deu um comprimido e lhe aplicou uma injeção na perna, com substância desconhecida.

O suspeito, conforme relato à PM, não teria parte de um braço e levou o garoto à força do bairro Nova Brasília, em Imbituba, até o bairro Mirim. Naquele local teria dado a ele um comprimido, e aplicado uma injeção. “Para a guarnição, o menino relatou que era um homem que estava encapuzado”, diz a polícia.

A criança, acompanhada dos pais e de um conselheiro tutelar, foi encaminhada ao Hospital São Camilo para atendimento. Segundo a PM, não há testemunhas dos fatos e se buscam eventuais imagens de câmeras no percurso descrito pela criança para identificação do veículo. O menino teria dado informações da placa do carro, que segundo a PM não foi identificada.

O delegado de Imbituba, Raphael Giordani, informou que um carro com as características descritas é monitorado. “Todavia, é a versão da criança, de 11 anos de idade. Assim, teremos que ter todo o resguardo necessário para não divulgar possível história ‘fantasiosa’. Contudo, a criança deverá ser ouvida na delegacia assim que liberada do hospital, junto com os pais e o Conselho Tutelar, para registro do fato e para que possamos prosseguir nas investigações”, diz o delegado.



Veja Também
Com a presença do novo técnico, Chapecoense encara o Atlético-MG
Criciúma é derrotado em casa e fica mais longe do acesso
Mudança de hábito e 11 quilos a menos
Drogas apreendidas são incineradas em Gravatal

Drogas apreendidas nos termos circunstanciados lavrados no segundo semestre de 2016 e primeiro semestre de 2017, em Gravatal, foram incineradas. Os entorpecentes foram queimados na segunda-feira. Os itens são provenientes de 102 termos circunstanciados com apreensões de cigarros de maconha, comprimidos de ecstasy e petecas de cocaína.

A droga estava lacrada em invólucros. A incineração foi autorizada pelo juízo da comarca de Armazém e foi realizada pelo cabo Cléber Eing e acompanhada pelo comandante da 2ª Companhia PM de Gravatal, capitão Maycon Prudêncio Joaquim.