Bebê precisa de ajuda em tratamento
Matéria via DS / Postado dia 24-01-2020

Aos seis meses, o pequeno Raví Wessler Soethe, de Tubarão, tem a força de um gigante, mas precisa de ajuda para poder se desenvolver saudável e forte. Ao nascer, uma complicação no parto o deixou por alguns instantes sem oxigenação, o que acabou gerando uma lesão cerebral grau 3, segundo o pai do menino, Fábio Soethe.

Depois de uma internação de 107 dias, o bebê precisa de muita ajuda com tratamentos para poder levar uma vida normal no futuro, e a família não tem condições de arcar com todos estes custos. Raví é o primeiro filho do casal Fábio e Joice Wessler.

Fábio trabalha como vendedor, e Joice precisou parar de trabalhar para cuidar do bebê. O tratamento tem um custo diário de R$ 300, além dos medicamentos. Além disso, ele precisa fazer tratamentos com fisioterapia e fonoaudiologia, por exemplo. Se ele for bem estimulado, esta situação poderá ser revertida, e ele pode levar uma vida normal”, reforça.

“Minha família foi surpreendida por essa lesão cerebral que ele teve em seu nascimento por falta de oxigenação. Ele se alimenta através de sonda gástrica, e não aprendeu a engolir ainda. Desde então, lutamos diariamente para reverter esse quadro”, conta o pai.

Fábio diz que, como o menino não consegue sequer engolir a saliva, precisa ser aspirada a cada meia hora. Agora, ele também precisará mudar a dieta, já que fez seis meses e está entrando em uma nova etapa de tratamento. “Ficamos 24h com atenção total a ele”, afirma.

 Em novembro, o DS já trouxe uma matéria contando a história do bebê. Na época, Fábio disse que conseguiu auxílio para a compra de medicamentos, e também um advogado se dispôs a ajudar a entrar com uma ação na Justiça que garanta o tratamento.  O pai de Raví diz que, no entanto, todos estes tratamentos precisam ocorrer com urgência, porque quanto mais ele esperar, menos chance de reverter a lesão existe. “Por isso, não temos como esperar pelos atendimentos do SUS, que demoram. É uma luta diária, principalmente dele, para se manter vivo e bem”, pontua.

 

Como ajudar

Quem puder contribuir com a campanha para ajudar no tratamento de Raví pode depositar qualquer quantia no Banco do Brasil, agência 3540-8, conta 18249-4, variação 51. Mais informações podem ser obtidas com o pai de Raví, Fábio, pelo telefone (48) 99688-1657.



Veja Também
Três propostas são entregues para leilão de concessão do trecho sul da BR-101
Cemitério está em estado de abandono em Jaguaruna
Rede Municipal de Ensino está preparada para início do ano letivo
“Lombadão” e calçada serão construídos na SC-370, no São Martinho