Policiais são recebidos a pedradas em farra do boi na Grande Florianópolis
Matéria via https://ndmais.com.br/noticias/policiais-sao-recebidos-a-pedradas-em-farra-do-boi-na-grande-florianopolis/ / Postado dia 12-08-2019

Dois homens foram detidos na tarde deste domingo (11), no município de Governador Celso Ramos, região da Grande Florianópolis, pelo crime de maus tratos contra animais. Policiais militares foram informados sobre uma prática de “farra do boi” e, ao chegarem no local, foram recebidos a pedradas por participantes do evento, considerado criminoso.

 

Dois homens foram detidos na tarde deste domingo (11), no município de Governador Celso Ramos, região da Grande Florianópolis, pelo crime de maus tratos contra animais. Policiais militares foram informados sobre uma prática de “farra do boi” e, ao chegarem no local, foram recebidos a pedradas por participantes do evento, considerado criminoso.

 

Proibida em Santa Catarina há mais de 20 anos, a farra do boi consiste em soltar o animal em um campo aberto e incentivá-lo a perseguir os participantes da prática ilegal. Durante a perseguição, o boi é agredido com objetos até ser ferido e demonstrar exaustão a ponto de não conseguir se levantar. Ao final das agressões, o animal costuma ser sacrificado.

Atualmente a pena prevista na lei federal que proíbe a farra do boi é de três meses a um ano de detenção e multa.



Veja Também
Delegação do Pan-Americano tem nove integrantes tubaronenses
Justiça determina prisão preventiva de acusado de matar namorada em Imbituba
Lava Jato investiga crimes que causaram prejuízos de R$ 6 bilhões

Dois homens foram detidos na tarde deste domingo (11), no município de Governador Celso Ramos, região da Grande Florianópolis, pelo crime de maus tratos contra animais. Policiais militares foram informados sobre uma prática de “farra do boi” e, ao chegarem no local, foram recebidos a pedradas por participantes do evento, considerado criminoso.

 

Dois homens foram detidos na tarde deste domingo (1

leia mais ...

Bolsonaro diz que incêndios não podem gerar sanções ao Brasil