Os sonhos do jovem atleta longe do país de origem
Matéria via DS / Postado dia 14-09-2018

A história do ganês Suleiman Abubakar, de 17 anos, é a mesma de muitos refugiados que saem dos países de origem em busca de uma vida melhor. A diferença, nesse caso, é que para viver o sonho de virar jogador de futebol, Suleiman veio para o Brasil, no começo deste ano, e hoje faz parte da equipe Sub-20 do Atlético Tubarão. 

Órfão de pai e mãe, deixou os avós e dois casais de irmãos gêmeos numa zona rural de Gana para realizar o sonho. Um dos fatores decisivos para sua saída do país africano foi sua relação conturbada com o tio, que era bastante agressivo. As marcas dos maus-tratos continuam na pele de Suleiman. 

Para voar para o Brasil, o jogador relata que contou com a ajuda de uma pessoa, que ele prefere não identificar. 

Antes de chegar ao Atlético Tubarão, o jovem foi enganado por um impostor e convencido a viajar de ônibus, por quatro dias, até o Acre. O homem, que tinha prometido a ele a 
realização do sonho de jogar futebol, também roubou o pouco dinheiro que o ganês tinha, além de levar seu celular, no qual estavam os contatos de seus familiares. Após o caso, ele retornou ao Sul e encontrou no Peixe a oportunidade tão esperada. 

Após testes, o Atlético Tubarão aprovou a entrada do jovem no time de base do clube. O Peixe oferece assistência financeira, e o imigrante vive num abrigo da cidade, já que ainda tem menos de 18 anos. Assim que completar a maioridade, no dia 10 de outubro, ele precisará deixar o abrigo. Essa questão burocrática é o que gera ainda insegurança. 

Auxiliado pelo clube e por assistentes sociais do município, Suleiman explica que teve o pedido de refúgio enviado ao Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), órgão subordinado ao Ministério da Justiça, a quem caberá decidir se ele poderá ou não continuar no Brasil. Esse é um processo que pode levar até três anos. 

No futebol também existem outros procedimentos para que refugiados possam virar profissionais. O clube precisa do aval da Fifa, e depois leva a documentação necessária para a CBF. Nesse quesito, o imigrante é otimista. 

Enquanto isso, Suleiman continua treinando no Peixe e tentando se conectar com os colegas. Ele, que só fala inglês, também faz aulas de português para se comunicar melhor dentro e fora de campo. Independentemente da língua, a palavra esperança é parte do vocabulário do atleta, que espera realizar o sonho de manter a carreira profissionalmente.



Veja Também
Gravatal comemora medalhas no JASC
Com cinco gols em dois jogos, Conrado comemora fase do Leão
Gravatal comemora medalhas no JASC
Candidatos do PT apresentam propostas na CDL